Página inicial

Notícia > Diversos

  • 03.01.2019 - 06:12

    Sonda chinesa pousa no lado oculto da Lua

    Aumentar fonte Aumentar fonte Diminuir fonte Diminuir fonte

    Uma sonda espacial chinesa pousou, nesta quinta-feira (3), no lado oculto da Lua, de acordo com a Agência Estatal de Notícias Chinesa. É a primeira vez na história que este pouso é realizado, segundo a Administração Espacial Nacional da China (ANEC).

    A ANEC, citada pela agência oficial de notícias Xinhua, detalhou que o pouso da Chang’e 4 na lua aconteceu às 10h26 (horário da China, 0h26 de Brasília) na área planejada: a bacia de Aitken, no polo sul do satélite da Terra.

    Objetivo

    A missão realizará tarefas de observação astronômica de rádio de baixa frequência, análise de terreno e relevo, detecção de composição mineral e estrutura da superfície lunar pouca profunda e medição da radiação de nêutrons e átomos neutros para estudar o meio ambiente no lado oculto da Lua, segundo a EFE.

    O objetivo final do programa Chang‘e, que começou com o lançamento de uma primeira sonda orbital em 2007, é uma missão tripulada à Lua a longo prazo, mas sem uma data ainda definida de término.

    A sonda, que inclui um módulo e um rover, foi lançada no dia 8 de dezembro do ano passado pelo foguete Longa Marcha 3B, a partir do Centro de Lançamento de Satélites de Xichang, na província de Sichuan.

    Quatro dias mais tarde, a Chang‘e 4 entrou na órbita lunar. As comunicações entre a sonda e a Terra são possíveis graças a um satélite, Queqiao, posto em órbita em maio do ano passado e que funciona como um transmissor "espelho" de informações entre os centros de controle na Terra e Chang‘e 4.

    Marco na história

    O jornal estatal Global Times chamou a chegada da Chang‘e 4 ao lado oculto da Lua de "grande marco na exploração espacial".

    Programas espaciais pioneiros como o soviético ou o americano já conseguiram fotografar o lado oculto da Lua há mais de meio século, mas nunca chegaram até lá, embora em 1962, uma missão não tripulada dos Estados Unidos tentou, mas sem sucesso, informou a EFE. (com G1)