Página inicial

Notícia > Brasil

  • 30.01.2017 - 07:29

    "Estou à disposição da Justiça", diz Eike ao embarcar para o Brasil

    Aumentar fonte Aumentar fonte Diminuir fonte Diminuir fonte

     O empresário Eike Batista confirmou que vai se entregar à Justiça brasileira quando chegar ao Brasil nesta segunda-feira (30). A declaração foi dada em entrevista no aeroporto John F. Kennedy, em Nova York, ao Fantástico, da TV Globo, pouco antes de embarcar para o Rio de Janeiro. O voo, que decolou por volta da 0h45 (no horário de Brasília), deve chegar ao Brasil por volta das 10h30.

    "Vou responder à Justiça como é meu dever. Está na hora de eu mostrar o que é e ajudar a passar as coisas a limpo", disse. Questionado, Eike afirmou que "nunca passou por sua cabeça" seguir para a Alemanha, país do qual também tem cidadania e do qual, portanto, não poderia ser extraditado para o Brasil.

    O empresário será detido assim que pisar no Brasil, já que teve a prisão decretada na quinta-feira (26), no âmbito da Operação Eficiência, segunda fase da Calicute, o desdobramento da Lava Jato no Rio. Ele é considerado foragido da Justiça brasileira e está na lista de procurados da Interpol.

    Eike deverá aguardar julgamento em uma cela comum já que não concluiu o ensino superior e não tem diploma universitário.

    A investigação apura esquema usado pelo ex-governador do Rio Sérgio Cabral Filho (PMDB) e outros investigados para ocultar mais de US$ 100 milhões remetidos ao exterior. Desse valor, repassado em ações da Vale, da Petrobras e da Ambev, apenas 10% já foi recuperado pelo Ministério Público Federal.

    Ao decidir pela prisão preventiva de Eike e de mais oito pessoas, o juiz Marcelo Bretas argumentou que havia "a necessidade estancar imediatamente a atividade criminosa"

    "A repressão à organização criminosa que teria se instalado no Governo do Estado do Rio de Janeiro há de receber, deste Juízo Federal, o rigor previsto no Ordenamento Jurídico nacional e internacional", diz o magistrado em seu despacho.

    Além da de Eike, foram pedidas as prisões do ex-governador fluminense Sérgio Cabral (PMDB), o ex-secretário Wilson Carlos, o ex-assessor de Cabral Carlos Miranda. Também são alvos Luiz Carlos Bezerra, Álvaro José Galliez Novis, Sergio de Castro Oliveira, Thiago Aragão, Francisco de Assis Neto e o advogado Flávio Godinho. Cabral, Wilson Carlos e Miranda foram presos na primeira fase, de 17 de novembro de 2016. (Bol com Estadão Conteúdo)