Página inicial

Notícia > Curiosidade

  • 08.08.2018 - 10:16

    Anna Livya diz que pôs silicone e fala sobre assédio

    Aumentar fonte Aumentar fonte Diminuir fonte Diminuir fonte

     A atriz Anna Livya Padilha, que ficou conhecida como a ‘Menina Fantasma‘ ao trabalhar no SBT, já completou 18 anos e atualmente trabalha como modelo. Em entrevista ao UOL, a jovem revelou que colocou implante de silicone.

    "Coloquei 305 ml em cada seio. Sempre tive vontade, porque acho que não há coisa melhor do que sentir-se bem consigo mesma. Mas nunca corri atrás. Não foi bem uma questão da maioridade. Minha mãe aprovou e foi comigo a todas as consultas", explicou.

    A atriz fez o procedimento estético com uma médico indicado por um amigo da família e falou sobre o resultado: "Não posso mexer muito os braços, vou ter que sossegar na academia também. O que faço nesse tempo é dieta: não como nada com açúcar, controlo muito, porque se deixar eu engordo de novo. Ainda estou inchadinha, mas estou satisfeita com o resultado, não prejudicou nada, até porque meu seio não era muito grande e eu sou", contou a atriz.

    De volta ao YouTube, o primeiro vídeo de Anna Livya causou grande repercussão. A atriz falou sobre sexo e citou casos de assédio que sofreu na adolescência. Segundo ela, um homem chegou a oferecer dinheiro em uma festa para que a atriz transasse com ele.

    "Já recebi ofertas de R$ 40 mil. Pessoalmente, a maior foi R$ 11 mil. Um cara me falou: ‘Te dou R$ 11 mil para você sair comigo‘. Não tenho onde enfiar a cara. Eu estava p... da vida pela proposta. Eu virei e gritei: ‘Eu não preciso do seu dinheiro! Isso eu recebo em uma hora de evento! Seu dinheiro é sujo!", relembra Anna Livya.

    A mãe, Mariade Fátima, contou ainda que testemunhou outro caso de assédio pela internet. De acordo com ela, um homem enviava constantemente fotos nuas e escrevia frases com teor sexual na rede social da atriz, na época com 15 anos. O caso foi denunciado pelo abusador para a polícia e foi registado boletim de ocorrência, mas não avançou.

    "Fiquei monitorando durante um mês. Ele tinha mais idade, era casado, pai e evangélico. Escrevia e mandava fotos. Eram coisas horríveis, muito nojento", recorda a mãe.