Página inicial

Notícia > Brasil

  • 25.02.2017 - 06:33

    Gaviões da Fiel mostra história de migrantes que formaram São Paulo

    Aumentar fonte Aumentar fonte Diminuir fonte Diminuir fonte

     SÃO PAULO - Com homenagem aos migrantes de São Paulo, o desfile da Gaviões da Fiel chamou atenção por sua rainha de bateria, a artista Sabrina Sato, e pela ausência da cor verde, que remete ao rival Palmeiras.

    Vestida de cangaceira, Sabrina atrasou alguns minutos para a concentração e chegou correndo para se posicionar. O primeiro carro alegórico apresentou bonecos gigantes com uma família de retirantes.

    Participaram do desfile crianças e cadeirantes. A bateria se vestiu de cangaceiro e trouxe imagens de xilogravura nos pandeiros e na percussão.

    Destacaram-se fantasias com palavras em placas: esperança, sonhos, oporunidades, emprego. No samba-enredo, a letra falou em "garra de gavião", "mãos calejadas" e "dura realidade" para se referir aos migrantes.

    Foram distribuídas bandeiras da Gaviões da Fiel e muitos espectadores gritavam "Vai, Corinthians!" para incentivar a escola.

    Formação. O enredo tem como título "Com as mãos e a garra de um povo sonhador, surge o contraste de uma nova metrópole - Sampa, lugar de sonhos, oportunidades e esperança".

    O tema foi desenvolvido pelo carnavalesco Zilkson Reis, que completou seu quarto ano consecutivo na escola. Ele registra ainda outra passagem pela Gaviões, entre 2009 e 2011.

    As alas e carros alegóricos fizeram alusão à cidade de São Paulo. Com cinco setores, a escola foi dos sonhos dos migrantes, passou pela chegada, mostrou o trabalho dessas pessoas, as conquistas e, por fim, a criação de novas tradições.

    A escola foi a sétima colocada no carnaval de 2016.

    Gabinete. Corintiano, o secretário municipal dos Transportes e Mobilidade, Sérgio Avelleda, desfilou pela Gaviões. Ele evitou falar da gestão e não quis conversar com a imprensa.

    Antes de sair do camarote da Prefeitura de São Paulo para a concentração, ele gritou: "Vai Corinthians!".

    Juliana Diógenes e Mateus Fagundes, especial para o Estadão