Página inicial

Colunas de Ramalho Leite

Ex-deputado e jornalista



  • É o meu jeito de contar

    16/04/2018

    O jornalista Biu Ramos identifica na minha escrita um estilo próprio. E repete Machado de Assis: “o estilo é o homem”. O cronista Gonzaga Rodrigues me envaidece ao proclamar que lê tudo que eu escrevo e, sentencia que, eu sei conciliar “a veia humorística com o desempenho sério do cidadão e do homem público” e é esse “o tom que tem levado da vida para os seus livros”. Sou este homem que exerceu vários...


    Ler mais

  • Como se fazia um senador

    16/05/2017

     Tudo remonta a Roma, inclusive o Senado. O nome vem do latim. Sen,senex,senior que, etimologicamente, significa velho, idoso. Entendia-se, então,  que os mais idosos seriam os mais sábios. Aqui se entendeu que eles deveriam ser os “mais sabidos”. Da mesma origem, vem a palavra senilidade.


    Ler mais

  • ‘Os boêmios cívicos‘

    01/05/2017

    Como eles trabalhavam até altas horas, “desvirginando a madrugada” como diria no futuro o nosso Gonzaquinha, Getúlio Vargas os apelidou de “boêmios cívicos”. Era a Assessoria Econômica, capitaneada por Rômulo de Almeida e da qual faziam parte ainda o sociólogo Jesus Soares...


    Ler mais

  • Os jovens turcos

    10/04/2017

    A queda do Império Otomano e a fundação da república turca teve como líder Mustafá Kemal Ataruk, militar graduado, revolucionário e primeiro presidente da Turquia. Antes, porém, ganhou renome com sua atuação na primeira guerra mundial. Lutou ao lado dos alemães e foi derrotado pelas...


    Ler mais

  • O último presidente da Parahyba

    29/03/2017

    Pelo decreto número 01, de 15 de novembro de 1889, que instituiu a República Federativa do Brasil, as antigas províncias imperiais passaram


    Ler mais

  • O trabuco venceu a lei (1)

    16/03/2017

     Era julho de 1930. Na Capital da Parahyba, a Escola Normal e o Liceu Paraibano eram os estabelecimentos de ensino mais avançados. O estado estava convulsionado com a rebelião surgida no município de Princesa Isabel, declarado “território livre” pelo deputado e coronel José Pereira Lima. Era presidente da Parahyba o ex-ministro do Tribunal Militar, João Pessoa Cavalcanti de Albuquerque,...


    Ler mais

  • O dia em que queimaram A União

    22/02/2017

     


    Ler mais

  • Princesa vista lá fora (3)

    06/02/2017

     Na imprensa de todo o País repercutiam os acontecimentos que tinham como palco o território livre de Princesa. Os rebeldes comandados pelo deputado e coronel José Pereira infligiam sucessivas derrotas à nossa briosa policia militar, aquartelada no Piancó e entrincheirada nos arredores das cidadelas ocupadas pelos pereristas. Lutando em território que conheciam com a palma...


    Ler mais

  • “O PAIZ” visita o Estado

    16/01/2017

     O imigrante português João José dos Reis Junior, portador do titulo nobiliárquico de conde São Salvador de Matosinho, era o proprietário da casa número 63 da Rua do Ouvidor, no centro do Rio, onde, por inspiração de Quintino Bocaiúva,


    Ler mais

  • Tio Pita deu a ordem

    13/01/2017

     Muito se tem escrito sobre os acontecimentos que culminaram com a chamada revolução de 1930. Não terei a veleidade de, neste pequeno espaço, analisar fatos ou emitir conceitos. Prefiro o registro dos acontecimentos deixando aos leitores seu juízo de valor. Todos sabem que Getúlio Vargas manteve o presidente Washington Luiz, de quem foi ministro...


    Ler mais

  • Recortes de jornais

    11/12/2016

     Recebi desde o início do ano passado, em meio eletrônico, o acervo de minhas atividades como deputado estadual, incluída a elaboração da nova Constituição do Estado. Projetos, requerimentos, indicações e discursos abordando os mais variados temas, foram resgatados e fazem parte do memorial da Assembléia. Somente agora foi...


    Ler mais

  • Paraibanos pais da Republica

    04/12/2016

     Terminei de ler há pouco mais um livro do paranaense Laurentino Gomes- 1889. É o ultimo da trilogia que começou com o 1808 e continuou com 1822. Se todos os que cuidassem da história, narrassem os fatos da forma como ele o faz, todo mundo gostaria de ler livros de história. O singular da sua escrita é que ele conta os bastidores dos...


    Ler mais

  • Umbuzeiro: terra de grandes

    30/10/2016

    Para mim era desconhecida a informação de que a cidade de Umbuzeiro tem a mesma padroeira de Bananeiras - Nossa Senhora do Livramento. E ambas as paróquias devem o incentivo maior da edificação de suas matrizes ao abnegado pastor José Maria de Ibiapina. Data de 1870 a primeira Igreja de Umbuzeiro, situada à rua coronel Antonio Pessoa. Em...


    Ler mais

  • Vila de Bananeiras

    17/10/2016

    Uma povoação, no regime monárquico, adquiria sua independência política ganhando o status de Vila. Bananeiras, como povoado, estava inserida no mapa da Vila de São Miguel da Baía da Traição até que passou a integrar o território da Vila Real de Brejo de Areia em 1872. Seis anos depois, em 10 de outubro de 1833, foi...


    Ler mais

  • Como era um dia de eleição

    09/10/2016

     Quando eu “era uma criança pequena” lá em Borborema um dia de eleição era um dia de festa. Também de brigas e muitas discussões, logo esquecidas. Mas a estrutura montada para receber os eleitores, demandava recursos próprios e por isso, poucos tinham direito de pleitear votos. Somente a partir de 1974, com a Lei Etelvino...


    Ler mais

  • A corrupção do eleitor

    04/10/2016

    Publiquei recentemente uma coletânea de autoria do meu filho Flávio, falecido há um ano, contendo temas eleitorais vistos sob o ângulo do eleitor, do candidato e da Justiça. Ao livro dei o título de “Polêmicas Eleitorais”. Em busca de assunto para a coluna de hoje, sentei-me para escrever sobre a fidelidade de certos eleitores ao seu...


    Ler mais

  • Primeira conversa (1)

    21/09/2016

      Este é mais um volume de conversas com meus poucos leitores, publicadas nos jornais desta antiga província da Parahyba do Norte e enfeixadas em livro. Já ocupei espaços dos falecidos 


    Ler mais

  • Dorgival Terceiro Neto

    13/09/2016

    Dificilmente eu deixava de ir abraçá-lo a cada 12 de setembro.Se levasse uma simples gravata de presente, era recriminado. Dispensava qualquer afago, mas não me negava a alegria de um abraço sincero.Era o seu jeito. Acostumado ao poder sem dele tirar proveito, sabia como ninguém viver longe dele e reconhecer os verdadeiros amigos. Na...


    Ler mais

  • Quem foi o Barão de Ramalho?

    09/09/2016

    Vim descobrir recentemente por que a família da minha esposa fazia restrições ao seu casamento comigo. Para casar, tive que roubar a moça. O coronel Camporra, irmão do Barão de Araruna era seu trisavô. Com essa ascendência nobre, como permitir a união com o filho de um plebeu, cujo mais ilustre membro familiar...


    Ler mais

  • Os reclames do Plin-Plin

    14/08/2016

    Aquele famoso apresentador de nossa televisão faria melhor o programa sem a sua presença. O cara é chato e só é superado por outro exemplar que elege como heróis alguns casais de desocupados, confinados em uma casa para engorda e, outras “cositas” mais por baixo do edredom. Mas nós, mortais comuns, temos que...


    Ler mais

  • O crime de Carlota nas memórias de Zé Lins

    07/07/2016

    Relembrar José Lins do Rego é sempre um regalo para o espírito. A Academia Paraibana de Letras realizou um seminário sobre sua obra. Ali, percorri o Engenho Corredor e revi seus moradores assustados com as enchentes do rio Paraíba. As peripécias do menino Carlinhos e do moleque Ricardo, suas aventuras e inconfidências...


    Ler mais

  • 31/05/2016

    Depois de revelar alguns registros do Livro de Tombo da paróquia de Bananeiras durante a gestão do monsenhor José Pereira Diniz, resolvi contar algumas histórias do folclore local, envolvendo a figura singular do vigário.Tido e havido como um homem de posses, senhor de engenho e de poucos amigos, fabricava rapadura e cachaça. O...


    Ler mais

  • Celso Cirne o visionário de Moreno

    14/04/2016

    Segundo Celso Mariz, o seu xará Celso Columbano da Costa Cirne teria sido o verdadeiro fundador da rivalidade que existiu entre Bananeiras e Solânea, notadamente, quando essa vila que se chamava Moreno, contava fábricas,tinha comércio crescente, expandia-se em uma planície com perspectiva de superar a sede municipal. Tornar-se-ia uma porta de saída para os sertões, com a certeza da chegada...


    Ler mais

  • O crime do guarda 33

    28/03/2016

    No tempo em que a Paraíba só oferecia a seus filhos os estudos preparatórios, existiam dois estabelecimentos de ensino referenciados: o Liceu Paraibano e a Escola Normal. Ambos se localizavam no antigo Pátio do Colégio, depois praça Comendador Felizardo e finalmente, Praça João Pessoa. Era nesse largo, à época cercada por um gradil, que se concentrava a estudantada,...


    Ler mais

  • Antigas páginas de jornais

    15/03/2016

     O saudoso escritor Wellington Aguiar contou quase toda a história da Paraíba, através das páginas dos jornais. Do Império, quando os periódicos começaram a transmitir as noticias da Corte, passando pela Abolição e chegando à República, tudo foi comentado a...


    Ler mais

  • Convocado o décimo quarto constituinte

    09/03/2016

    A Constituição da Paraíba de 1989 se aproxima dos trinta anos de vigência, com emendas aditivas ou supressivas, mas firme na sua permanência. Como participante daquela Assembléia Constituinte, fui um dos homenageados com a “Medalha Constituição Cidadã Ulisses Guimarães”, quando da passagem dos vinte anos dessa nossa última Carta. Ao meu lado, outro...


    Ler mais

  • O Voronoff brasileiro surgiu em Bananeiras

    29/02/2016

     O epíteto de “Vornoff Brasileiro” foi dado ao major José Fábio da Costa Lira, farmacêutico em Bananeiras mas nascido em Umbuzeiro, onde foi prefeito municipal. O jornal “A Noite”, do Rio de Janeiro, em edição de 11 de agosto de 1936, na primeira página, revela a existência, “no interior da Parahyba, do autor de um processo a que se atribuem curas...


    Ler mais

  • O padre que acusou Ibiapina

    14/02/2016

    Transcorria uma madorra sessão da Assembleia Provincial de 1885, em que se discutia as parcas


    Ler mais

  • Uma ‘velha senhora‘ jovial

    08/02/2016

    Era uma quinta feira, 2 de fevereiro do ano de 1893, quando o Partido Republicano do Estado da Parahyba fez circular a primeira edição de


    Ler mais

  • Ricardo, Coelho Lisboa e Abelardo

    25/01/2016

    Testemunhei recentemente o drama enfrentado pelos paraibanos com o desabastecimento de combustíveis e a tentativa de normatizar o suprimento do nosso Estado através do porto de Suape. Lembro que...


    Ler mais

  • Uma carta ao Imperador

    18/01/2016

     Ao pesquisar a origem dos Ramalho no brejo deparei-me com a figura do padre José Euphrosino Maria Ramalho, nascido no vale do Piancó mas vigário colado de Bananeiras até o inicio do século XX. Sob a jurisdição da Freguesia de Bananeiras estava incluída a Casa de Caridade de Santa Fé, localizada à chegada de Arara, hoje território de Solânea. A...


    Ler mais

  • Waldir, o rebelde

    06/01/2016

    N


    Ler mais

  • “Pra Não Dizer Que Não Falei De Flores”

    05/01/2016

    Tenho ocupado esse espaço para uma volta ao passado ao invés de incursionar pelo presente. Não por alienação ou omissão, mas por vocação: amo a pesquisa e exalto a memória histórica como lições de antanho para nortear o futuro. Assim chegamos aos primeiros dias de um novo ano


    Ler mais

  • A família RAMALHO, no brejo da Paraíba

    21/12/2015

    O padre Florentino Barbosa Leite, que presidiu o Instituto Histórico e Geográfico Paraibano por mais de seis anos, até 1956, nos legou o único documento conhecido sobre as origens da 


    Ler mais

  • A Vila de Bananeiras

    16/12/2015

     Uma povoação, no regime monárquico, adquiria sua independência política ganhando o status de Vila. Bananeiras, como povoado, estava inserida no mapa da Vila de São Miguel da Baía da Traição até que passou a integrar o território da Vila Real de Brejo de Areia em 1872. Seis anos depois, em 10 de outubro de 1833, foi dada emancipação...


    Ler mais

  • FHC e os paraibanos

    07/12/2015

    O sociólogo Fernando Henrique Cardoso, antes de se despedir da terra está brindando os brasileiros com a memória do seu governo. Pela espessura do primeiro volume que, revela fatos, apenas, do ano inicial da sua gestão, tenho a impressão que ainda gastará muito papel para contar o que viveu e com quem conviveu nos oito anos em que foi inquilino do Palácio do Planalto. A...


    Ler mais

  • Foram dois enforcados em Areia

    22/11/2015

    As peças da forca existente em Areia permaneceram durante sessenta anos no salão do júri local. Com a demolição do prédio, em 1922, esse madeiramento histórico, que deveria ser peça de museu,


    Ler mais

  • Boa Vista, Camucá e Borborema (2)

    17/11/2015

    Boa Vista foi a denominação dada pelo bacharel José Amâncio Ramalho às terras que comprou ao capitão João da Mata. O rio Canafístula circundava o aglomerado, e quando foi barrado, inundou imensa área pertencente a vários proprietários. Antonio Nogueira Campos,...


    Ler mais

  • Boa Vista, Camuçá, Borborema

    09/11/2015

     A notícia histórica que se tem é a partir de 1912, quando o advogado José Amâncio Ramalho, em disputa com os Targino, em Araruna, resolveu adquirir terras onde surgiria a cidade de Borborema, largando a núcleo do seu nascimento e adotando as novas terras a que denominou de Boa Vista. Consta que teria comprado as glebas a um certo capitão João da Mata, possuidor de um sitio de...


    Ler mais

  • Deputados à moda antiga

    02/11/2015

     Nos dias de hoje as casas legislativas são entidades fartas em recursos e seus membros recebem uma remuneração difícil de ser somada. Antigamente, um deputado federal tinha que enfrentar “esse marzão” como dizia Ernani Satyro, para desestimular Walter Arcoverde a tentar uma cadeira igual à sua. Depois vieram as passagens aéreas e o velho Rui Carneiro fazia questão...


    Ler mais

  • Pedro de Almeida e a Lei do Bode

    25/10/2015

     Sua origem, como de todo Almeida da gema, é a Vila Real do Brejo de Areia. No sobrado de Marinheiro Jorge, seu pai, Rufino de Almeida, tentou o comércio. Sem vocação para esse ramo de negócio, terminou voltando para Várzea, seu engenho de cachaça e rapadura, enquanto os filhos venciam a pé a distancia entre o engenho e escola, em Areia. Pedro Augusto de...


    Ler mais

  • Mariz o coerente

    10/10/2015

     O AMIGO VELHO Ernani Satyro , quando censurado por contestar o regime que ajudara a implantar e lhe exigiram coerência, respondeu bem humorado:“quem tem coerência tem idéia fixa e quem tem idéia fixa é doido”. Logo, não se exija coerência dos políticos, pois a política é dinâmica e muda como as nuvens, levando nos ventos das mudanças, os seus...


    Ler mais

  • O Imperador na Paraíba

    27/09/2015

     Muito já se escreveu sobre a visita do Imperador Pedro II à Paraíba. Sabe-se que ele chegou à nossa capital na tarde de uma véspera de Natal. Era um sábado do ano de 1859. Um vapor da Marinha do Brasil conduzia o monarca e sua numerosa comitiva nessa viagem de quatro meses pelas províncias. Cinco dias foram dedicados à Parahyba do Norte. As cidades de Pilar, Mamanguape e Cabedelo tiveram a honra de ver de perto a coroa de...


    Ler mais

  • Os nobres paraibanos

    21/09/2015

    Meus poucos leitores já devem ter notado minha predileção por assuntos que envolvem a história pátria. Tenho saído do dia a dia, e assim, evito desagradar aos vivos, pois os mortos não reclamam.Os personagens que por aqui têm passado já se foram de há muito e, seus feitos, bons ou maus, fazem parte da...


    Ler mais

  • Dorgival Terceiro Neto

    13/09/2015

     Dificilmente eu deixava de ir abraçá-lo a cada 12 de setembro.Se  levasse uma simples gravata de presente, era recriminado. Dispensava qualquer afago, mas não me negava a alegria de um...


    Ler mais

  • A Guarda Nacional e os coronéis (2)

    08/09/2015

     O meu avô, José Rodrigues da Costa Neto, era tenente da Guarda Nacional. Nunca vi o titulo que lhe teria sido conferido, mas lembro da sua espada prateada presa a um suporte de madeira, próximo ao teto da casa grande do engenho Poço Escuro, do qual era o Senhor.Falava-se que herdara o título e espada do pai ou do avô.Pelas suas posses, tinha também direito a votar e no dia da...


    Ler mais

  • A Guarda Nacional e os coronéis

    02/09/2015

    Quando D.Pedro I abdicou do trono do Brasil, ficou difícil ao governo imperial conter as escaramuças entre os nacionais e os portugueses saudosos do Monarca. Havia um receio de que os militares se posicionassem pelo retorno de D.Pedro, principalmente, pela falta de confiança no exército, então formado por homens de origem humilde e sem nenhuma qualificação, além do mais, chefiados por estrangeiros. A...


    Ler mais

  • O Barão de Araruna existiu (1)

    17/08/2015

     O Barão de Araruna não é só uma figura de ficção. A personalidade do personagem de Maria Dezonne Fernandes no seu romance de maior sucesso, “Sinhá Moça”, pouco se aproxima do verdadeiro Barão. Há, porém, algumas coincidências: a atividade política do Barão da literatura, do cinema e da televisão...


    Ler mais

  • Um alemão na vida do meu pai (2)

    09/08/2015

     Quando arribaram de Moreno para Borborema, em uma madrugada de agosto de 1942, meus pais, Arlindo e Eurídice, vinham no rastro do alemão Guilherme, já acomodado naquele burgo pelo manto protetor do doutor José Amâncio Ramalho, o chefe político e provedor econômico do lugar. Meu pai conseguira salvar o estoque de sua loja financiada pelo alemão, mas este perdera quase...


    Ler mais

  • Vamos falar de trens (2)

    28/07/2015

     Fiquei impressionado! Como o trem exerce ou exerceu influência na vida das pessoas...Quando eu escrevi “Vamos Falar de Trens”, colhi manifestações de toda parte, cada leitor contando a sua história. Resolvi voltar ao assunto narrando alguns episódios e revelando seus personagens. Começo com minha primeira viagem de casado, de Borborema para a Capital. Estudava no Liceu...


    Ler mais

  • Zé Amâncio em Araruna

    21/07/2015

    Conviver com quem gosta de história é um privilégio. E como eu gosto de contar histórias... Muitos historiadores me brindam com as suas pesquisas e iluminam meu conhecimento. Marcelo Cerqueira, por exemplo, me presenteou seu livro onde traça a evolução da iluminação pública na Paraíba e, notadamente, nesta Capital. Eu já sabia que um Vilar,...


    Ler mais

  • Vamos falar de trens

    13/07/2015

     O trem chegou a Bananeiras em 1925. Solón de Lucena, contrariando seu cunhado Celso Cirne, (queria que o trem aportasse em Moreno/Solânea), profetizou: “O trem chegará a Bananeiras nem que seja por debaixo da terra”. A construção do túnel da Serra da Viração levou dez anos. Enquanto isso, desde 1913, o comboio de ferro despejava seus passageiros na Estação de Borborema...


    Ler mais

  • Viúvas e aposentados

    07/07/2015

     Quando assumi a gestão previdenciária do Estado, costumava lembrar que, como deputado, dera uma boa contribuição para o aumento do déficit previdenciário. No passado, a Paraíba tinha o IPEP, apelidado de Instituto de Previdência, mas com atividades que iam desde o financiamento da casa própria à oferta de serviços de saúde aos...


    Ler mais

  • Recortes de jornais

    26/06/2015

     Recebi desde o início do ano passado, em meio eletrônico, o acervo de minhas atividades como deputado estadual, incluída a elaboração da nova Constituição do Estado.Projetos, requerimentos, indicações e discursos abordando os mais variados temas, foram resgatados e fazem parte do memorial da Assembléia. Somente agora foi possível mergulhar no...


    Ler mais

  • Pioneiros da energia

    13/06/2015

     Fiquei impressionado com o gigantismo da Itaipú Binacional. Uma obra de engenharia construída pelo Brasil e Paraguai, com o nosso dinheiro, e que atende a noventa por cento das necessidades dos guaranis e a vinte por cento das nossas. Desde o início da produção o Paraguai vem pagando ao Brasil, com energia, a parte do investimento que lhe caberia realizar e, não o fez por falta...


    Ler mais

  • Histórias da minha mãe

    08/06/2015

     Passou o dia das mães e não ouvi o apelo comercial. Deixei passar em branco, até por que, sempre dizia à minha: dia da mães é todo dia.Mas como tive inveja de quem, naquele dia, estava batendo perna pelas lojas em busca de uma lembrancinha para sua mãe. Meu vizinho aqui do lado, Carlos Pereira, não esqueceu de escrever sobre a data. Hoje me bateu uma saudade...


    Ler mais

  • Edme e a abertura

    22/05/2015

     Quando Tarcísio Burity foi ungido governador da Paraíba recebeu a incumbência de começar um processo de abertura política. Uma das recomendações era mesclar o secretariado com detentores de mandatos visando aproximar o governo dos políticos. Aproximar os políticos do governo, já era um vício natural e incorrigível... Naquela época, a Paraíba era, quase toda,...


    Ler mais

  • A fidelidade do eleitor

    19/05/2015

     Iniciei minha vida pública como vereador em Borborema, aos 18 anos. Desde que comecei a ter noção das coisas, porém, já se respirava política na minha casa. Aprendi e não esqueci até hoje o jingle de Argemiro de Figueiredo para governador, “com Renato (Ribeiro) seu maior batalhador” e que concluía: “ Zé de Almeida, o seu bonde vai errado sim senhor!”. A...


    Ler mais

  • A corrupção do eleitor

    11/05/2015

     Publiquei recentemente uma coletânea de autoria do meu filho Flávio, falecido há um ano, contendo temas eleitorais vistos sob o ângulo do eleitor, do candidato e da Justiça. Ao livro dei o título de “Polêmicas Eleitorais”. Em busca de assunto para a coluna de hoje, sentei-me para escrever sobre a fidelidade de certos eleitores ao seu candidato, e escolhi um deles....


    Ler mais

  • Os santos do Povo

    27/04/2015

     Há poucos dias ganharam manchetes nos jornais e sítios da internet, a notícia de que o ex-Arcebispo de Olinda e Recife, Dom Helder Câmara, poderia virar Santo. O Vaticano, segundo o informe, teria dado sinal verde ao prosseguimento do feito na Congregação da Causa dos Santos. Por essa decisão, o pequeno-grande Helder já pode ser considerado Servo de Deus. É o primeiro passo.


    Ler mais

  • De Bananeiras a Barbacena

    20/04/2015

     Chegou às minhas mãos um exemplar de “Conegundes, operário da liberdade e da cidadania” publicado sob os auspícios da Fundação Ulisses Guimarães, e que trata da trajetória política do bananeirense Manoel Conegundes da Silva, que pelos idos de 1950 largou o Colégio Pio XI em Campina Grande e partiu para as Minas Gerais onde terminou o...


    Ler mais

  • Amantes dos poderosos

    12/04/2015

     Em algumas sociedades mais exigentes, a descoberta de uma relação extraconjugal de


    Ler mais

  • A democracia e a síndrome de Alice

    09/04/2015

     “Democracia não é apenas o Governo do Povo, ou o povo no poder, mas sim o governo da maioria, porque nunca se chegará a um consenso sobre o...


    Ler mais

  • Os ‘suicídios‘ de Getúlio

    30/03/2015

     Tenho escrito sobre fatos históricos e figuras públicas que já se foram. É uma maneira prática de passar incólume pela reprovação dos pretensos ofendidos. Os mortos não pedem direito de resposta. Quando o personagem se chama Getúlio Vargas, cresce meu entusiasmo e tenho certeza, desperto a curiosidade dos meus poucos leitores, porque esse gaúcho...


    Ler mais

  • "Boêmios cívicos" geraram a Petrobras

    25/03/2015

     Como eles trabalhavam até altas horas, “desvirginando a madrugada” como diria no futuro o nosso Gonzaquinha, Getúlio Vargas os apelidou de “boêmios cívicos”. Era a Assessoria Economica, capitaneada por Rômulo de Almeida e da qual faziam parte ainda o sociólogo Jesus Soares Pereira e o paraibano Cleanto de Paiva Leite, além de outros igualmente talentosos e que se demorariam ainda muito tempo servindo à Patria na área do desenvolvimento. Foi...


    Ler mais

  • Minha ficha no SNI

    05/03/2015

     Tinha inicial e legalmente o objetivo de supervisionar e coordenar as atividades de informações e contra-informações no Brasil e no exterior. A criação do SNI absorveu outros serviços da mesma natureza mas terminou,ele próprio, depois de uma crescente atividade subterrânea, extinto ou transformado na vigente ABIN, originada do governo...


    Ler mais

  • Paraibanos no TCU (2)

    19/01/2015

     Tendo a honra de ser lido pelo confrade Gonzaga Rodrigues que, inclusive, abandonou a máquina Olivetti, aderiu ao computador e descobriu também o email, recebi dele uma corrigenda da minha ultima coluna. Lembra ele que José Américo de Almeida não exerceu o mandato de deputado federal. Na verdade ele foi eleito deputado federal mas foi depurado. Naqueles idos os eleitos passavam por uma...


    Ler mais

  • Paraibanos no TCU

    16/12/2014

     Poucos são os paraibanos que nos honraram com sua presença no Tribunal de Contas da União. Todos, sem exceção, antes de tomar assento naquela Corte de Contas, exerceram o mandato de Senador da República. O primeiro deles, Pedro da Cunha Pedrosa, mais conhecido como Cunha Pedrosa, foi advogado, promotor e juiz. Hoje, Cunha Pedrosa empresta seu nome para designar da mais alta comenda instituída pelo nosso...


    Ler mais

  • Sem vela na mão

    10/12/2014

     Antigamente só se morria de vela na mão. Eu tinha uns nove anos e passava em frente à casa do dr.José Amancio, o construtor da Vila de Camucá, na direção da casa dos meus avós que moravam duas casas adiante. Alguém veio até a porta da frente e gritou:


    Ler mais

  • Treze já se foram

    28/11/2014

     O jornalista Adelson Barbosa vez por outra brinda seus leitores, entre os quais me incluo, com pesquisas de natureza história, notadamente na área da política e administração do nosso Estado, em período mais recente. No ultimo domingo repassou a legislação constitucional e derivada sobre o meio ambiente, e prestou uma homenagem aos constituintes estaduais de 1989, reproduzindo a galeria...


    Ler mais

  • Vamos voltar a degola?

    18/11/2014

     A Paraíba de Gama e Melo não se submeteu à vontade presidencial. O Presidente Campos Sales valeu-se da Comissão de Verificação de Poderes para anular as eleições federais ocorridas no Estado. O motivo? O nome por ele indicado para governar a Paraíba não foi aceito. A rebelião de Gama e Melo resultou na degola da bancada eleita, com a posse dos...


    Ler mais

  • O deputado das viúvas

    05/11/2014

     O saudoso radialista Luiz Otávio me deu esse honroso epíteto, quando, deputado estadual, em atitude de vanguarda, apresentei Projeto de Lei que dava às viúvas e dependentes do servidor, a mesma remuneração do falecido, como se ele “vivo estivesse”. Isso foi muito antes da Constituição Cidadã que tornou esse direito válido para todo do...


    Ler mais

  • Os tempos eram outros

    29/10/2014

     Trago hoje mais dois exemplos da fidelidade dos políticos do passado aos seus líderes. Desde a antiga UDN e depois na ARENA meu pai acompanhava Clovis Bezerra. Era ele o nosso deputado estadual. Trocar Clovis Bezerra por outro era para Arlindo Ramalho uma tarefa impossível. Só deixou Clovis Bezerra para votar no próprio filho, eu. Sua casa de comercio advinda da...


    Ler mais

  • Maranhão repete Argemiro

    13/10/2014

     Argemiro de Figueiredo foi deputado estadual, federal e senador. Governou a Paraíba entre 1935 e 1940, atravessando, inclusive, o período do Estado Novo de Getúlio Vargas. Em 1946 foi eleito deputado constituinte e integrou um grupo de parlamentares que se dedicaram mais de perto à elaboração do novo texto constitucional que vigorou até os juristas fardados nos doarem uma...


    Ler mais

  • A bica e a solução de Balduino

    29/09/2014

     Quando Dorgival Terceiro Neto era prefeito desta cidade das mangueiras e das acácias, resolveu restaurar o Parque Arruda Câmara (Bica), e, para a tarefa, contratou a experiência e a inteligência de Balduino Lelys, de quem nunca mais tive noticia. Balduíno, no governo de João...


    Ler mais

  • A mulher na bagaceira

    15/09/2014

      A mulher brasileira percorreu um caminho de muitas lutas para ter o sagrado direito de votar e a honra de ser votada.O vizinho estado do Rio Grande do Norte aproveitando o fato de não haver exclusividade federal para legislar sobre o assunto introduziu o direito de voto às mulheres antes mesmo do Código Eleitoral de 1932 que facultava o voto feminino, desde que as eleitoras inscritas fossem...


    Ler mais

  • O banco do Severino

    09/09/2014

     O Banco da Renata, do Antonio e da Maria é também o Banco do Severino. Pelo menos é o que diz a propaganda do Banco do Brasil. Vai ver que foi por isso, já naquele tempo, que Lampião, o Rei do Cangaço, ao entrar em uma agencia do banco para assaltá-lo, indagou de um gerente tremendo mais que vara verde:


    Ler mais

  • Um mergulho no passado

    01/09/2014

     Visitar o Instituto Histórico e Geográfico da Paraíba é uma experiência singular para quem gosta de vasculhar o passado. Com máscara e luvas que me foram cedidas, gentilmente, pelo pessoal que atua naquela casa, vivi essa viagem e reencontrei, além dos meus próprios rastros, muita gente que os escaninhos do meu cérebro haviam arquivado. O tempo foi curto,...


    Ler mais

  • Encontro com Itamar

    25/08/2014

     Decorria o mês de agosto do ano de 1993 do século passado e Itamar Franco era o Presidente do Brasil após o impedimento de Collor. Ontem como hoje, deputados e senadores sempre procuram o Chefe da Nação para se queixar de desprestígio mais do que para reivindicar investimentos públicos nos seus Estados. Por ambas as razoes a bancada paraibana, excetuando-se os pmdebistas,...


    Ler mais

  • Quem paga a lanterna?

    20/08/2014

     A palavra da moda é mobilidade urbana. Antes se falava em fluxo de veículos, dificuldades de acesso, problemas de deslocamento. Tudo isso virou uma palavra chave:mobilidade. A construção de um sistema viário que evite a paralisação do trânsito com desperdício de tempo e combustível, além de não acabar com os nervos do motorista, se...


    Ler mais

  • A Rainha do Milho

    06/08/2014

     Começam com as homenagens a Santo Antonio, prosseguem com São João e se encerram com o São Pedro. Mas há quem prolongue os festejos juninos e realize o “João Pedro”, celebrando os dois em um, fora das suas datas, quando as bandas de forró custam um pouco menos.


    Ler mais

  • O instituto e seu novo sócio

    29/07/2014

     Fundado em 7 de setembro de 1905, na Parahyba, capital da Parahyba do Norte, o Instituto Histórico e Geográfico Paraibano nasceu da iniciativa de Irineu Pinto, Coriolano de Medeiros, Flávio Maroja, Tavares Cavalcanti, Seráphico da Nóbrega, Castro Pinto e outros, tendo o incentivo do presidente do Estado, o engenheiro Álvaro Lopes Machado. Por vinte longos anos, o Instituto foi...


    Ler mais

  • Os padres de Taperoá

    27/07/2014

     Revisitando Dorgival Terceiro Neto em “Taperoá, crônica para sua história” encontrei o padre Theodomiro de Queiroz Mello o quarto sacerdote nascido nas terras da antiga Fazenda Batalhão, depois batizada de Taperoá, ou Taper-uá para os indígenas, morador das taperas ou aldeia abandonada em tradução registrada por José Leal Ramos, jornalista...


    Ler mais

  • Os padres de Taperoá

    22/07/2014

     Revisitando Dorgival Terceiro Neto em “Taperoá, crônica para sua história” encontrei o padre Theodomiro de Queiroz Mello o quarto sacerdote nascido nas terras da antiga Fazenda Batalhão, depois batizada de Taperoá, ou Taper-uá para os indígenas, morador das taperas ou aldeia abandonada em tradução registrada por José Leal Ramos, jornalista...


    Ler mais

  • Os padres de Taperoá

    22/07/2014

     Revisitando Dorgival Terceiro Neto em “Taperoá, crônica para sua história” encontrei o padre Theodomiro de Queiroz Mello o quarto sacerdote nascido nas terras da antiga Fazenda Batalhão, depois batizada de Taperoá, ou Taper-uá para os indígenas, morador das taperas ou aldeia abandonada em tradução registrada por José Leal Ramos, jornalista...


    Ler mais

  • Os padres de Taperoá

    22/07/2014

     Revisitando Dorgival Terceiro Neto em “Taperoá, crônica para sua história” encontrei o padre Theodomiro de Queiroz Mello o quarto sacerdote nascido nas terras da antiga Fazenda Batalhão, depois batizada de Taperoá, ou Taper-uá para os indígenas, morador das taperas ou aldeia abandonada em tradução registrada por José Leal Ramos, jornalista...


    Ler mais

  • Coerência é coisa de doido

    12/07/2014

     Fico admirado quando vejo os contrários de ontem, de mãos dadas nos dias de hoje, e os que continuam contrários, a reclamar coerência política de quem esqueceu as divergências e uniu as convergências. O cenário paraibano pós-convenções ainda está nebuloso e até as dezenove horas deste sábado tudo pode acontecer, inclusive...


    Ler mais

  • A história nas ruas

    11/06/2014

     Uma boa sugestão aos professores: mandar seus alunos pesquisarem a história dos patronos das ruas onde residem. Claro que encontrarão gente sem muita história ou com história sem merecimento para a homenagem. Outros, porém, com a inserção de seus nomes nas placas indicativas, apenas registram que foi pequena a láurea alcançada. Mereciam muito...


    Ler mais

  • Como era no passado

    31/05/2014

     Mergulhei há alguns dias na história da Primeira República e no perfil dos seus personagens principais. Se nada tivesse acrescido ao meu conhecimento, a leitura do primoroso livro de Osvaldo Trigueiro de Albuquerque Melo ( A Política do Meu Tempo), pelo menos serviria para que eu mudasse o conceito a respeito de Washington Luis,...


    Ler mais

  • O Bolsa Bebê

    24/05/2014

     Na gestão do presidente Fernando Henrique Cardoso foi iniciado o processo de distribuição de renda através da concessão de bolsas.Inicialmente, na Paraíba, alguns municípios foram escolhidos para um Plano Piloto e a renda mínima foi transformada em moeda de troca de voto.Pelo menos um prefeito a distribuiu, pessoalmente, em...


    Ler mais

  • A história se repete

    11/05/2014

     Não é essa a primeira vez, na Paraíba, que se desfaz uma coligação partidária. Desde a redemocratização em 1945, incluindo o garroteamento político implantado pelos militares e continuando na volta das eleições diretas, que se registram esses episódios. Eu era menino e ouvi meu pai comentando que Clovis Bezerra, a quem ele seguia na...


    Ler mais

  • O meu amigo Pedro Gondim

    07/05/2014

     Menino perambulando pelas ruas de Borborema, minha atenção foi chamada por um movimento diferenciado na estação ferroviária. Não havendo previsão de trem de carga ou da chegada de uma “gasolina”, gente na estação, só à noitinha, próxima à chegada do comboio que vinha da Capital com as noticias trazidas pelos...


    Ler mais

  • Uma dor sem objetivo

    30/04/2014

     Alguém me mandou dizer pela net: quando um pai morre, deixa órfãos. Quando falece um marido, nasce uma viúva. Quando morre um filho não há substantivo ou adjetivo que qualifique essa perda. Estou procurando palavras para descrever a dor que senti ao ver sepultar meu filho mais novo, vítima da violência das estradas. Para nascer, pulou apressado do ventre da...


    Ler mais

  • A emenda Pedro Gondim

    21/04/2014

     A Ordem dos Advogados do Brasil ingressou no Supremo Tribunal Federal com Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADIN) visando a revogação das pensões vitalícias concedidas a ex-Governadores de vários estados da Federação. A OAB acha justo, muito justo, justíssimo, que os ex-Presidentes da República mantenham esse benefício, mas...


    Ler mais

  • Me incluam fora

    14/04/2014

     Quando leio os acontecimentos da política paraibana nos dias atuais, chego a conclusão de fiz muito bem em não tentar voltar a uma cadeira parlamentar. Aproveitei bem o meu tempo, dei a minha contribuição, por mais modesta que tenha sido e a encerrei com o advento da nova Constituição Estadual. Os tempos eram outros. O parlamentar era respeitado e o político...


    Ler mais

  • O último favor

    09/04/2014

     O meu pai foi vereador por vários mandatos e prefeito duas vezes, além de forte cabo-eleitoral dos candidatos que apoiava. Sua votação era baseada na afinidade que criava com o eleitorado, tão reduzido que permitia sua visita, casa a casa, antes das eleições que sempre ganhou, em Borborema.Depois que ampliou sua área de atuação para Bananeiras, aposentou a seringa que adquirira...


    Ler mais

  • Os Bezerras no poder

    03/04/2014

     Essa família Bezerra Cavalcanti é mesmo vocacionada para o poder. Sua ultima façanha foi entronizar um dos seus membros no maior cargo da hierarquia do Estado. Por poucos dias, mas dando continuidade a uma estirpe que vem de longe pontuando na história política da Paraíba. Desta feita, foi a desembargadora Maria de Fátima Morais Bezerra Cavalcanti, aquela menina de preto que conheci frequentando um...


    Ler mais

  • JOTA A JÁ, JÁ!

    18/03/2014

     Aquela campanha de 1965 foi a última permitida pelo regime de 64 aos partidos nascidos na redemocratização do País e que tomaram assento na Constituinte de 1946. João Agripino estava lá para exercer o seu primeiro mandato de deputado federal, ao lado de Ernani Satyro, Argemiro de Figueiredo, Fernando Nóbrega, Janduí Carneiro, João Úrsulo Ribeiro,...


    Ler mais

  • O carnaval que não houve

    10/03/2014

     Naquele ano bissexto de 1962 o carnaval decorria sem quaisquer incidentes. Tanto o Bananeiras Clube como o Grêmio Morenense realizavam os seus bailes tradicionais.O carnaval de rua, sem excessos, era dominado por blocos de crianças e adolescentes. Em Solânea, uma camioneta acompanhava um bloco infantil. Seus ocupantes se descuidaram e o veículo avançou sobre os pequenos foliões, matando três e ferindo...


    Ler mais

  • Outros carnavais

    03/03/2014

     Para quem não sabe fui eu que inventei essa história de arquibancada nos carnavais de João Pessoa. A primeira delas foi armada na Lagoa do Parque Solon de Lucena e vítima de atropelamento. Um jeep transformado em carro alegórico prendeu o acelerador e jogou-se contra o povo. Terminei o dia no Pronto Socorro que ficava a poucos passos do...


    Ler mais

  • A invenção da sinecura

    23/02/2014

     Quando terminei a faculdade de direito, instalei escritório de advocacia na rua Arthur Achiles, quase um beco, por trás de onde ficava o antigo Pronto Socorro. Saberia mais tarde que era pequena a homenagem que a cidade prestou a esse grande jornalista que viveu entre o final da Monarquia e as primeiras décadas da República. Arthur Achiles é o patrono da Cadeira 07 da Academia...


    Ler mais

  • Os alemães no Brejo

    17/02/2014

     Guardei desde menino a imagem daquele galego grandalhão que morava num quarto externo da casa dos meus pais em Borborema. Conhecido como “seu” Guilherme, ainda hoje não conheço o seu nome familiar. Chegou à Vila de Camucá em uma madrugada de chuva.Temendo pela própria vida pediu abrigo e proteção ao dr. Jose Amancio Ramalho, então chefe...


    Ler mais

  • A quota dos parentes

    12/02/2014

     Nos concursos públicos fica obrigado a reserva de um percentual de vagas para os portadores de deficiência física. Algumas universidades já adotam quotas para negros nos vestibulares. Tudo isso é feito em nome da não discriminação. Na minha opinião se trata de discriminação explícita e consentida. Um privilégio! No outro viés, discriminar parente de...


    Ler mais

  • Meu único sócio

    03/02/2014

    Quando a legislação eleitoral facultou espaço radiofônico a partidos e candidatos, para ser ouvido no brejo, tinha que me servir da Radio Constelação, iniciativa de Zenóbio Toscano, ainda no nascedouro. Não sendo pouco o deslocamento para Guarabira, se acresça ao sacrifício a ladeira mais íngreme da cidade onde eram localizados os estúdios...


    Ler mais

  • A mágica do paletó

    26/01/2014

     Passei muitos anos da minha vida embalado no paletó e enforcado na gravata. Hoje, dificilmente, vou a um evento que me exija essa indumentária. Mas o trajo exerce sobre as pessoas uma influência incomum. Quando costumava comprar pão, nunca entrei na fila da padaria estando empaletozado. O balconista, de longe, cuidava de me atender com prioridade. Eu penava quando deixava o paletó em casa.


    Ler mais

  • O atleta

    19/01/2014

     Fui magro a vida quase inteira. A minha média de peso até perto dos cinquenta anos, não passava dos sessenta quilos. Nunca pratiquei esportes e minhas caminhadas são feitas, bem aboletado na cadeira de um veículo. Vida sedentária e ausência de exercício tinham que me levar a um excesso de peso, principalmente por falta, também, de uma dieta responsável. Mas tudo isso...


    Ler mais

  • A UNIMED é nossa!

    14/01/2014

     É muito popular a anedota do vendedor de seguros que abriu sua linguagem de camelô perante um fazendeiro endinheirado, coisa rara nos dias de hoje. Após ouvir a cantinela do visitante, o visitado concluiu: meu amigo, pelo que eu vejo, nesse seu negócio todos ganham e só quem perde sou eu... Quero não!.


    Ler mais

  • A história em três por quatro

    09/01/2014

     Ainda alcancei aqueles fotógrafos que se concentravam na Praça Pedro Américo, em frente ao prédio dos Correios. Quem queria fotos, apenas, para documentos, devia esclarecer ao retratista que, invariavelmente, perguntava: - Quer com Correio ou sem Correio?


    Ler mais

  • Instantes de amizade

    02/01/2014

     Dificilmente quem ocupa cargos públicos, sejam eles eletivos ou não, consegue sustentar as amizades feitas no exercício da função, quando dela se despede. Há ao redor dos detentores de mandatos, principalmente, uma leva de” amigos” que desaparecem tão logo acaba a influencia do integrante do poder. Para esses áulicos e viciados das rodas palacianas, há muitos epítetos, alguns deles...


    Ler mais

  • Bananeiras na Assembleia

    23/12/2013

     O chamado brejo das bananeiras, que tinha no território do antigo município de Bananeiras o seu centro gravitacional, sempre elegeu representantes ao Poder Legislativo Estadual.Na Assembleia Constituinte de 1934, lá estava o cel.José Antonio da Rocha descendente do Barão de Araruna e que cederia sua cadeira em 1947 a Clovis Bezerra. Ao lado de Clovis Bezerra, ainda oriundos de Bananeiras foram eleitos constituintes Pedro Augusto...


    Ler mais

  • Homenagens equivocadas

    17/12/2013

     Outro dia ocupei este espaço para lembrar homenagens prestadas a nomes os mais ilustres, em equipamentos públicos ou privados fora das atividades em que se notabilizaram seus patronos. Referi-meà Medalha do Mérito Esportivo TarcisioBurity, nome que para mim poderia honrar qualquer comenda, desde que vinculada às suas qualificações. Não sei se alguém do Tribunal de...


    Ler mais

  • Bananeiras na Academia

    10/12/2013

     Abordei semana passada a presença dos nascidos em Bananeiras no comando da Paraíba. Foram quatro os governadores ali nascidos: Solon de Lucena, Odon Bezerra, Clovis Bezerra e Rivando Bezerra. Não pesquisei outras cidades para estabelecer a hegemonia, mas estamos em boa posição, sem dúvida.O tema de hoje, são os bananeirenses que tomaram assento na Academia Paraibana de Letras e...


    Ler mais

  • Bananeiras no poder

    04/12/2013

     Outro dia contei nesse espaço o episódio da quase eleição do deputado José Lacerda para governador da Paraíba. A vaga ocorreria com a renúncia do governador Tarcisio Burity que, sem vice, teria um sucessor eleito pela Assembleia Legislativa. A hipótese já ocorrera antes, com a eleição de Milton Cabral diante das renúncias do governador e do seu vice. No projeto que não se...


    Ler mais

  • O poder é efêmero

    24/11/2013

     Tem gente que fez na vida pública uma carreira brilhante e constante. Ouvi de Ernani Satyro, num rasgo de modéstia, que a dele não era brilhante mas era constante. A minha não é brilhante nem constante. Registrei altos e baixos. Conquistei mandatos e amarguei suplências. Estive no poder e fora dele, muito mais tempo fora. Esse tobogã que me acompanha deixou lições que...


    Ler mais

  • Hitler de Almeida Lima

    19/11/2013

     Horácio de Almeida Lima publicou foto na rede social dando conta de que estava lotado o teatro Severino Cabral quando do seu espetáculo de contador de histórias. Em Campina Grande foi mais feliz do que quando pretendeu lançar um livro em Brasília e apenas sete convidados...


    Ler mais

  • A Vírgula

    13/11/2013

     A vírgula, sem tirar nem por, não passa de um sinal de pontuação indicando uma pausa ou separando os membros integrantes de uma frase. Colocar a vírgula no lugar certo não é para todo mundo. Muita gente, eu inclusive, vou gastando vírgulas até enquanto posso para depois ir economizando.


    Ler mais

  • Paraíba, terra de grandes

    05/11/2013

     Mergulhando nos alfarrábios do nosso passado, se constata que a “pequenina e heroica” foi grande em outras terras. Paraibanos da melhor estirpe foram exportados e terminaram senadores ou governadores de outras províncias desse imenso território nacional. São Paulo, hoje a mais pujante das unidades federativas,teve um conterrâneo nascido nesta capital, a governá-la: Antonio...


    Ler mais

  • Um garoto na Guerra de Princesa

    29/10/2013

     A rebelião organizada contra o poder chefiado por João Pessoa terminou por tornar Princesa uma urbe independente. José Pereira Lima, deputado e coronel da guarda nacional, assinou decreto instituindo o Território Livre de Princesa. A partir daí, estava desligado do poder estadual e recebendo apoio do poder central, via Pernambuco, através dos Pessoas de Queiroz que, mesmo parentes de...


    Ler mais

  • Paraibanos pais da República

    22/10/2013

     Terminei  de ler há pouco mais um livro do paranaense Laurentino Gomes- 1889. É o ultimo da trilogia que começou com o 1808 e continuou com 1822. Se...


    Ler mais

  • Hora de dar um basta

    16/10/2013

     Houve uma euforia sem precedentes quando brasileiros de todas as idades ganharam as ruas com cartazes e deram seu recado. Em meio à multidão, havia até quem não soubesse por que estava ali, mas estava. As manifestações, sem dono e sem líderes, aproveitavam o momento em que as lentes do mundo estavam voltadas para a


    Ler mais

  • Balanço geral

    08/10/2013

     No próximo domingo chego aos setenta anos de vida. Quando meu pai se foi aos sessenta e dois, pensei que seguiria seu exemplo. Minha apreensão não se confirmou. Ultrapassei aquela barreira não hereditária e estou aqui, cheio de charme, como mandei dizer a Goretti Zenaide, na resposta às suas ”Confidências”. Com saúde, na esperança de ainda seguir em...


    Ler mais

  • Mergulho no passado

    04/10/2013

     Visitar o Instituto Histórico e Geográfico da Paraíba é uma experiência singular para quem gosta de vasculhar o passado. Com máscara e luvas que me foram cedidas, gentilmente, pelo pessoal que atua naquela casa, vivi essa viagem e reencontrei, além dos meus próprios rastros, muita gente que os escaninhos do meu cérebro haviam arquivado. O tempo foi curto, mas...


    Ler mais

  • Zé Lacerda aos oitenta

    24/09/2013

     Se algum dia eu publicasse um dicionário, para o verbete “político”, colocaria apenas uma foto de José Lacerda Neto. Ninguém que eu conheça, viveu, mais do que ele, a atividade política.Seu “slogan” nunca mudou: deputado o tempo todo. Nada mais verdadeiro. Com onze mandatos, segundo o Wikipédia estaria completando 81 anos, pois nascera em 17 de setembro de 1932, em São José...


    Ler mais

  • Que venham os mexicanos!

    16/09/2013

      Detalhamento de RAMALHO LEITE ESCREVE; QUE VENHAM OS MEXICANOS


    Ler mais

  • Um usineiro de oposição

    13/09/2013

     Quando entrei na Assembleia Legislativa da Paraíba, encontrei o deputado José Fernandes de Lima como líder da oposição. Eu tinha sido vereador pela antiga UDN, partido do meu pai. Com a extinção das agremiações renegadas pelo regime militar, a ARENA tornou-se o meu partido. Renovei meu mandato em 1982, na mesma legenda do ilustre filho de Mamanguape, e quedei-me sob...


    Ler mais

  • Uma coisa descomunal

    03/09/2013

    A expressão, publicada na imprensa entre aspas, é um desabafo do presidente da Assembleia Legislativa do Estado, a título de protesto, contra o número exagerado de vetos firmados pelo Executivo,a projetos de iniciativa parlamentar. O protesto soa mais como manifestação política do que, propriamente, como recusa à aceitação dos argumentos constitucionais de quem veta. Os dois lados têm as suas razoes. O Presidente pela obrigação de defender os...


    Ler mais

  • Jantando com o Marechal

    27/08/2013

    Já se escreveu que qualquer democracia, mesmo ruim, é melhor que uma ditadura boa, se é que esta existe. Nos primeiros anos pós 64, muita gente ainda acreditava nos propósitos democráticos da “redentora” que afastara Jango para impedir “ o avanço dos comunas”. Depois veio o AI-5 e com ele o atropelo à Constituição de 1967, votada por um Congresso limitado em seus poderes e convocado especialmente para aquela finalidade. E quando se pensava...


    Ler mais

  • Catolé do padre e do frade

    20/08/2013

    Acompanhei por alguns anos a vida de Catolé, bem instalado na minha cadeira de deputado, ouvindo os debates entre o padre Américo Maia e Frei Marcelino de Santana, do mesmo credo religioso mas de pensamentos políticos antagônicos. O padre era da tradicional família Maia, cujo poderio econômico e político se mantinha há mais de quarenta anos.Eis que chega a Catolé, “um fradezinho despretensioso” a quem não deram importância. Virou notícia...


    Ler mais

  • Catolé do padre e do frade

    20/08/2013

    Acompanhei por alguns anos a vida de Catolé, bem instalado na minha cadeira de deputado, ouvindo os debates entre o padre Américo Maia e Frei Marcelino de Santana, do mesmo credo religioso mas de pensamentos políticos antagônicos. O padre era da tradicional família Maia, cujo poderio econômico e político se mantinha há mais de quarenta anos.Eis que chega a Catolé, “um fradezinho despretensioso” a quem não deram importância. Virou notícia...


    Ler mais

  • O perfil municipal

    14/08/2013

    O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento-PNUD,acaba de divulgar o Indice de Desenvolvimento Humano dos Municípios Brasileiros-IDH-M. Os resultados alcançados revelam um avanço em algumas das metas que constituem os Objetivos do Milênio, cuja disseminação está incluída na missão desse importante braço das Organizações das Nações Unidas-ONU. A prioridade do PNUD é justamente promover o desenvolvimento e...


    Ler mais

  • O último favor

    04/08/2013

    O meu pai foi vereador por vários mandatose prefeito duas vezes, além de forte cabo-eleitoral dos candidatos que apoiava. Sua votação era baseada na afinidade que criava com oeleitorado, tão reduzido que permitia sua visita, casa a casa, antes das eleições que sempre ganhou, em Borborema.Depois que ampliou sua área de atuação para Bananeiras, aposentou a seringa que adquirira logo depois que o comercio o deixara. A aplicação de injeção...


    Ler mais

  • A flor do cemitério

    30/07/2013

     Naquela manhã fria de maio, Marina Coeli acordou chorando. Tivera um sonho agoniado e pavoroso. Um desconhecido lhe aparecera durante o sono e a convidara para acompanhá-lo por uma estreita alameda do cemitério de Bananeiras. Para ganhar sua confiança, confidenciara que fora amigo de sua mãe. Dito isto, se dirigiu a um mausoléu que ficava na ultima fila do campo santo, voltado para o...


    Ler mais

  • O almirante do povo

    24/07/2013

    A última vez que o Almirante Cândido da Costa Aragão esteve nesta capital, já depois de anistiado, recepcionei-o com um almoço na minha residência do Jardim Luna. José Aragão, seu primo e meu sogro, pedira a cada membro da família para o acolher com carinho. Era uma forma de compensá-lo dos sofrimentos e da distância que mantivera dos seus. Chamei alguns amigos, entre os quais Jório Machado, Edivaldo Motta e Orlando Almeida.O militar, cansado e cego de...


    Ler mais

  • Quem apaga a lanterna?

    14/07/2013

    A palavra da moda é mobilidade urbana. Antes se falava em fluxo de veículos, dificuldades de acesso, problemas de deslocamento. Tudo isso virou uma palavra chave:mobilidade. A construção de um sistema viário que evite a paralisação do trânsito com desperdício de tempo e combustível, além de não acabar com os nervos do motorista, se enfeixam no contexto de mobilidade. Esse é o grande desafio das cidades, em qualquer parte do mundo, talvez...


    Ler mais

  • Arena Brasil

    06/07/2013

    A Arena entre nós já foi o maior partido do ocidente, no dizer do indefectível Francelino Pereira; abrigo obrigatório dos apoiadores do regime militar pós 64, oriundos do udenismo extinto. Na Roma Antiga, a arena mais famosa, o Coliseum, foi palco da eliminação de cristãos, alimento servido a leões famintos. No Brasil de hoje, sob inspiração da FIFA, a arena é o nome dado aos campos de futebol, antigamente chamados de estádios. A arena romana...


    Ler mais

  • A botija de Camucà

    28/06/2013

    A vida corria tranquila na Vila de Camucá. O nome, de origem indígena, significa “terra deserta’. O rio, do mesmo nome, deu origem ao povoado que foi surgindo depois que o dr.José Amancio instalou usina de beneficiamento de arroz e uma fecularia, garantindo centenas de empregos. Nas terras que adquiriu, plantava a matéria prima de suas indústrias. Para expandir seus negócios, precisava de energia. Barrou o rio Camucá, uma continuidade do Rio Canafístula, e trazendo...


    Ler mais

  • Cidade descalçada

    21/06/2013

    A campanha tem a marca do multimídia Abelardo Jurema mas todo dia ganha novos adeptos. Impossível deixar de aderir a um movimento que visa comover o Poder Público e a iniciativa privada para dotar seus imóveis de calçadas bem conservadas.Exigir, de logo, condições de acessibilidade aos portadores de necessidades especiais, seria pedir demais.Por enquanto, bastaria que as calçadas não oferecessem riscos aos pedestres e cadeirantes que por elas trafegam.Mas os registros...


    Ler mais

  • Waldyr, o conciliador

    11/06/2013

    Quando eu cheguei à Assembleia já o conhecia dos embates municipais. Estava secretário da prefeitura, durante a gestão Dorgival Terceiro Neto, enquanto Antonio Waldyr Bezerra Cavalcanti era vereador à Câmara de João Pessoa. Dorgival contava na sua bancada com bons vereadores, a exemplo da raposa política da época, outro Antonio, o Cabral Batista, vigário colado na presidência da Casa. Quando havia alguma matéria controvertida a ser aprovada, Cabral...


    Ler mais

  • Vigarista toma sino de Amorim

    03/06/2013

    A nova Bananeiras que vem sendo construída a partir dos últimos dez anos, começou a surgir da iniciativa de um empreendedor corajoso que acreditou no futuro de seus investimentos, conseguiu parceiros que se associaram ao projeto e arrancou o poder publico da sua inatividade secular. Bastou uma legislação protecionista e acolhedora, a par de uma divulgação direcionada à história, beleza e vantagens climáticas do lugar, para a antiga capital do café se...


    Ler mais

  • Vice não é coisa fácil

    27/05/2013

    A discussão pela escolha do cabeça-de-chapa domina sempre o ambiente político e as especulações jornalísticas. Os vices, que compõem as chapas majoritárias, são anunciados na undécima hora e resultam de composições várias. As vezes prevalece a liderança pessoal ou o parentesco com essas lideranças.Outras, a junção partidária e, finalmente,a localização geográfica da atuação...


    Ler mais

  • Só falta o Papa

    21/05/2013

    No mundo da política, o relacionamento entre o gestor que sucede e o sucedido, dificilmente não termina em briga. Sobre essa tendência natural, o governador Burity costumava dizer: só quem não brigou foi Tomé de Souza, primeiro governador-geral do Brasil, por motivos óbvios. Competindo na categoria de não ter com quem se desentender, sempre esteve o Papa.Reinando absoluto no Vaticano, nunca o Papa, até a renuncia de Bento XVI, sucedeu a outro Papa que continua vivo e...


    Ler mais

  • Orgulho da Paraíba

    15/05/2013

    Não vejo preconceito quando se chama de “paraíba”, o nordestino que aporta em São Paulo para ajudar o seu desenvolvimento. Quem prefere o Rio e quase sempre sobe o morro, é chamado de “baiano”. E nem por isso a Bahia se revolta. Mais constrangedor foi a deturpação da musica de Gonzagão que, para homenagear a terrinha, terminou carimbando a mulher paraibana de “mulher macho, sim senhor”. E o velho Lua nunca deixou de receber as mais escolhidas...


    Ler mais

  • Idoso de carteirinha

    07/05/2013

    Acabou-se o tempo em que o idoso era reconhecido e respeitado pelos cabelos brancos. Dirigindo um veículo, ao estacionar em um dos espaços reservados para uma pessoa idosa, você terá que exibir o seu “diploma de velho”. O órgão municipal de trânsito que loca as vagas, também se encarrega de emitir o seu certificado de velhice, inclusive, com prazo de validade de dois anos. A validade é uma prova de que o órgão de trânsito não confia...


    Ler mais

  • A filha de Manguenza

    28/04/2013

    Quando criança ouvia o nome desse lugar. Meu pai contava que minha avó Leonor Leite Ramalho, veio de lá. Seus pais, Isidro Pinto Ramalho e Luzia Pinto Ramalho eram filhos de Antonio Pinto Ramalho e de Constancia Ramalho, agricultores em Manguenza, território de Misericórdia e hoje encravado no município de Nova Olinda. Como em toda história de sertanejo tem uma seca pelo meio, foi fugindo de uma seca “ braba” que meu bisavô Isidro partiu do Piancó para o...


    Ler mais

  • Empregadas às antigas

    20/04/2013


    Ler mais

  • Antônio, só no papel

    06/04/2013

    Não sei por que botaram Antonio no seu nome.Se foi promessa ao Santo, cuja mãe era devota ou homenagem ao Tenente de Trinta, que o pai admirava. Conciliados, batizaram-no de Antonio Juarez Farias, na pia da Igreja de Cabaceiras. O Antonio só durou enquanto foi “Toinho”, operador da única máquina de escrever do Cartório local.Quando ascendeu a escrevente de cartório em Campina Grande, nasceu o Juarez que ganharia o mundo e se tornaria um exemplar servidor publico do Brasil...


    Ler mais

  • Burity neutro?

    04/04/2013

    No ultimo domingo, ampla reportagem do Correio da Paraíba, sob o título “Grandes brigas políticas na PB”, em certo trecho discorre: “ Na sua sucessão, na campanha de 1989, Burity ficou neutro em relação às candidaturas de Ronaldo Cunha Lima (PMDB) e Wilson Braga(PFL).Chegou a recomendar voto em branco.”Não voto nem em Braga,nem em Ronaldo.Voto branco”,disse na época...” A afirmativa é equivocada, a partir da data. A...


    Ler mais

  • Dunga votla

    28/03/2013

     O gordinho de maior jogo de cintura que já conheci, está de volta. Para quem começa a vida como caminhoneiro, sentar na cadeira de governador do seu Estado, mesmo por poucas horas, enobrece o curriculum. Quem pensou que ele tinha virado peça da nossa história, pode tirar o cavalinho da chuva. Carlos Marques Dunga, ou simplesmente Dunga, prefeito, deputado estadual e federal, suplente de senador, está de volta à Assembléia e vai dar o que falar. No penúltimo dia do seu governo e...


    Ler mais

  • Terra à vista

    19/03/2013

    Há controvérsias a respeito dessa versão da história que nos foi contada desde as primeiras letras. Alguém, com forte sotaque lusitano, teria gritado: “Terra à Vista”, quando, com a ajuda de um binóculo ou coisa que o valha, divisou o nosso Monte Pascoal. Isolado na gávea, aquele compartimento em formato de cesta colocada no alto da vela principal da caravela de Cabral, o dono do primeiro olhar sobre as terras brasileiras estava cumprindo pena, castigado...


    Ler mais

  • Quem matou o general?

    04/03/2013

    Aproveitei o feriadão para ler a alentada pesquisa de Glauce Burity sobre a vida e obra de Antenor Navarro e os acontecimentos ao seu redor que culminaram com a revolução de outubro de 1930. Encantei-me com o trabalho e com o biografado, esse extraordinário paraibano desaparecido aos 33 anos,quando Interventor da Paraíba,vítima da queda de um avião em que também viajava José Américo (“ o mar me engoliu, o mar me vomitou”). Alguns fatos...


    Ler mais

  • A função da Ouvidoria

    21/02/2013

    Quando exerci o cargo de secretário do Controle da Despesa Pública, hoje Controladoria Geral, tive a satisfação de implantar a Ouvidoria Geral do Estado, órgão criado de há muito, mas somente sob a gestão de Cássio Cunha Lima, nomeada a primeira titular, a professora Carmem Isabel Silva. A iniciativa obteve ampla repercussão e muitas informações chegaram a ser respondidas, pessoalmente, via telefone, pelo chefe do Executivo, causando surpresa aos...


    Ler mais

  • A invasão do crioulo doido

    28/01/2013

    A seriedade do Diário Oficial dificilmente se presta a oferecer oportunidades para o riso impresso. José Américo, em palanque no Piancó, conseguiu inserí-lo no folclore político ao definir a fidelidade do deputado Antonio Montenegro: “E mais fiel ao Governo, que o chumbo do Diário Oficial.”..Chico Maria Filho, ao retratar nossa capital e escrevendo lá da Serra da Borborema tacou: “João Pessoa é uma cidade debruçada sobre o tabuleiro de...


    Ler mais

  • A última conspiração

    20/01/2013

    Para quem não sabe - MAG é uma sigla formada pelas iniciais do nome do ex-deputado Manoel Alceu Gaudêncio de tradicional família caririzeira que já deu até senador. Onde hoje foi edificado o shopping,, existia uma ampla residência que somada ao espaço do Hotel Manaíra, deu lugar ao novo empreendimento. A Casa de Manezin, como era conhecida, foi sem duvida o cenário principal da ultima conspiração política que a Paraíba testemunhou.


    Ler mais

  • Quero a minha mulher de volta

    06/01/2013

    Não pensem que sou machista. Mas confesso, tenho saudade do tempo em que minha mulher acordava dando ordem na cozinha, acertando o cardápio do dia e juntando roupas para mandar lavar. Levar os filhos à escola, isso já está mais distante... Mas ir buscar um neto, comparecer às festinhas de sua escola ou participar de suas férias, é um doce encargo que ela tem dificuldade de realizar... O destino mudou a nossa vida familiar. Meu pai era candidato a prefeito de Bananeiras...


    Ler mais

  • De coronel, só o chapéu

    05/01/2013

    O jornalista José Euflávio não me deixava em paz. Toda vez que ia a Bananeiras acompanhando o governador Cássio Cunha Lima, insistia no pedido. Queria por que queria que eu lhe presenteasse um quadro de Ariano Suassuna que pendia meio torto na parede da minha sala. O quadro do Movimento Armorial e pintado a bico de pena me fora ofertado por um gerente de banco, não me lembro qual. Um dia me rendi ao assédio cultural do jornalista e mandei que levasse o quadro antes que Marta...


    Ler mais

  • Missão cumprida

    23/12/2012

    Comecei fazendo política em uma região onde predominavam os coronéis. Vinham da época em que o voto era de cabresto e honrado pelo compadrio ou pelo regime da chibata...Eu comecei em outro cenário. Não havia mais a imposição da força e o voto era secreto e universal, menos para os analfabetos, depois incluídos. Existia ainda uma espécie de coronelismo urbano que falava pela voz obediente do delegado de policia, do coletor de impostos, da justiça...


    Ler mais